Novo Topo Maio

Others Polices / Inter / Outras Polícias

 
UM PENSAMENTO ORGANIZADO, EM QUE RACIOCINE SOBRE OS ACONTECIMENTOS, PERMITIRÁ QUE MANTENHA ORGANIZADA SUA REALIDADE SOCIAL QUE O CERCA, CONHECENDO OS CAMINHOS, E POSSUINDO SEGURANÇA,ORGANIZANDO SUA REALIDADE INTERIOR.
QUEREMOS, TÃO SOMENTE PROMOVER INSTRUMENTOS AUXILIARES PARA OS QUE PRECISAM OU GOSTAM, COM VARIADOS ESTILOS DE TEXTOS, EM NOSSAS SEÇÕES, DE MODO A CONTRIBUIR PARA QUE O RESULTADO FINAL SEJA MUITO MAIS SATISFATORIO.
EM CADA PERSONAGEM, DESEMPENHA A MERA FUNÇÃO DE INDICADOR DAS FALAS, COM FORÇA DE SUA EXPRESSÃO; SUA CAPACIDADE DE ATUALIZAR O EPISÓDIO QUE REPRESENTA DIANTE DOS QUE OS LÊEM.
 
<>< < <> <><< << >><< <> ><>< <> >>> ><>< >>> >> ®
<>< < <<<> << <<< > <> >>> > << <>< <> ><>< >>> >> ®
A Todos, uma boa leitura,

OUTRAS POLICIAS/others polices

 Nesta pagina, outras policias/others polices, o leitor encontrara a estrutura policial de alguns paises, para comparação e lucilação de diferentes modos de operar em favor da segurança do cidadão .
 
POLICIA COMUNITÁRIA NO JAPÃO
A missão da policia comunitária no Japão é a de realizar atividades para garantir a segurança e a tranqüilidade dos moradores das comunidades e também a de prestar os primeiros atendimentos em resposta imediata a qualquer evento que demande a presença da policia. Para melhor realizar sua missão, a policia comunitária busca contar com as opiniões, sugestões dos moradores e assim moldar as operações policiais de acordo com as necessidades especificas de cada comunidade.
Para garantir uma vida segura e tranqüila para os moradores das comunidades, os policiais comunitários no Japão desenvolvem um grande leque de atividades, ao mesmo tempo em que mantém um contato direto com os mesmos. Os policias estão em constante alerta, dia e noite, todos os dias do ano; realizam patrulhas nos bairros e fazem a vigilância das ruas; visitam as residências, o comercio e os negócios em geral para dar aconselhamento sobre a prevenção de crimes e acidentes, alem de ouvir os problemas e solicitações dos moradores; dão aulas sobre segurança no transito; punem as violações de transito; dão aconselhamento aos jovens e / ou adotam medidas punitivas contra a delinqüência juvenil; protegem os bêbados, as crianças perdidas e outros necessitados; e também oferecem aconselhamento em relação a problemas dos moradores.
As atividades da policia comunitária no Japão são realizadas por policiais comunitários alocados em postos policiais geralmente localizados em esquinas e conhecidos como “koban” e em postos policiais maiores do tipo residencial conhecidos como “chuzaisho”, alem daqueles policiais que fazem ronda em viaturas. Em abril de 2002, existiam cerca de 6.500 kobans e 8.100 chuzaishos, um para cada jurisdição de cada comunidade. Existiam também cerca de 84.000 policiais comunitários em todo o Japão, correspondendo a aproximadamente 40% de toda a forca policial japonesa.
Os kobans e chuzaishos
Os principais suportes das atividades da policia comunitária no Japão são os postos policiais “koban” e “chuzaisho”. Tanto o koban quanto o chuzaisho estão estabelecidos como unidades organizacionais subordinadas às delegacias, sendo que um deles, um “koban” ou um “chuzaisho”, é colocado em cada sub área da jurisdição de uma delegacia. Portanto, qualquer parte do território japonês é coberta seja por um koban ou por um chuzaisho.
Um koban típico tem um escritório, uma sala para interrogatório, salas de estar e de descanso e um sanitário. Um chuzaisho típico é uma pequena residência onde o policial vive com sua família, contando com um escritório na parte anterior para tratar dos assuntos policiais.
Os postos policiais do tipo koban são geralmente estabelecidos em áreas urbanas e normalmente contam com um quadro de policiais que trabalham de acordo com a seguinte programação, com três ou mais deles trabalhando por turno: plantão de 24 horas (da manhã de um dia ate a manhã do dia seguinte); dia de folga (dia de folga no dia seguinte ao plantão de 24 horas); dia de trabalho (de manhã à tarde).
De modo a garantir uma maior confiança da população nas atividades policiais, o comando da policia tem recentemente designado policiais sênior a vários kobans como seus chefes. Os chefes dos kobans trabalham diariamente de manhã à tarde, não em plantões de 24 horas, e como chefes coordenam as atividades dos policiais que trabalham segundo a programação descrita anteriormente.
O comando da policia também tem promovido a introdução do “sistema de consultoria do koban” no qual policiais aposentados designados como “consultores do koban” são colocados em um koban com localização central na cidade e que recebe um grande numero de visitantes, assim podendo dar aconselhamento a cidadãos interessados em vários problemas e notificar a delegacia sobre um crime ou acidente mesmo quando os policiais do koban estão fora em patrulha.
O “chuzaisho” é localizado primeiramente em áreas rurais. Cada chuzaisho é gerenciado por um policial residente que ali vive com sua família, mantendo vigilância constante como responsável pela ordem em sua jurisdição. No chuzaisho, a esposa do policial o ajuda em seu trabalho. Quando o policial esta ausente em patrulha ou tratando de algum assunto criminal ou acidente, sua esposa trabalha em seu nome atendendo aos visitantes que param para perguntar por endereços e moradores que vem com notificação de objetos perdidos e achados, ou para notificar o posto policial sobre algum crime ou acidente, entre outros. Ela recebe um pagamento mensal especial do respectivo comando da policia local por sua contribuição nas tarefas policiais.
As atividades dos policiais dos koban e chuzaishos
O policial comunitário mantém alerta constante , dia e noite, todos os dias do ano. Através da vigilância nas ruas, patrulhas nas vizinhanças e visitas de rotina às residências, os policiais comunitários manchem contato direto com a comunidade. Suas ações garantem a segurança e a tranqüilidade da vida comunitária, prevenindo crimes, prendendo suspeitos criminais, controlando o transito, oferecendo orientação aos jovens, protegendo crianças perdidas e bêbadas e aconselhando cidadãos com problemas.
Vigilância no Koban
A vigilância nos kobans e chuzaishos é feita com o policial em pé, de frente ao posto, ou sentado dentro dele, possibilitando os policiais a responderem imediatamente a qualquer incidente.
Enquanto mantém uma vigilância incessante, os policiais realizam uma serie de tarefas rotineiras: recebem denuncias de crimes dos cidadãos, cuidam de objetos perdidos e achados, aconselham cidadãos com problemas e dão informações sobre endereços.
Patrulha
Os policiais comunitários patrulham sua jurisdição, sempre carregando consigo comunicadores sem fio para se manterem em contato com os postos policiais e com as viaturas. Na sua jurisdição, o policial comunitário se esforça para: - avisar os proprietários de residências deixando um aviso (chamado de “cartão patrulha”) quando suas casas são encontradas destrancadas.; - prevenir crimes ou elucida-los através do interrogatório de pessoas suspeitas; prevenir acidentes patrulhando suas jurisdições especialmente em áreas sujeitas a acidentes de transito e a acidentes às margens de rios, lagos e no litoral; dar aulas de segurança no transito e adotar medidas punitivas contra os que violam as regras de trânsitos; patrulhar ruas e locais ameaçados por delinqüentes, onde é dado aconselhamento e orientação aos menores, ou onde é dada orientação policial especial aos que violam o código penal; localizar e proteger crianças perdidas, bêbados e outras pessoas que necessitam de resgate emergencial.
Em 2001, os policiais comunitários prenderam cerca de 247.000 suspeitos, representando cerca de 76% de todos os indivíduos presos sob o código penal.
“Junkai renraku” – Visitas de rotina a residências e locais de trabalho
Os “Junkai renraku” são atividades que os policiais comunitários realizam através da visita a famílias e a locais de trabalho quando dão aconselhamento sobre a prevenção de crimes e acidentes, a;em de escutar os problemas, solicitações e opiniões da comunidade. Nos “Junkai renraku” de sua jurisdição, os policiais comunitários pedem à população que preencham um ”cartão de informações residenciais/comerciais Junkai renraku” colocando informações tais como endereço para contato no caso de emergência, de modo a que o policial possa contata-lo em caso de desastre ou acidentes, ou dar aconselhamento na prevenção de acidentes.
Atividades desenvolvidas pelos koban e chuzaishos com centros de segurança comunitária
Os policiais comunitários que trabalham nos Kobans e Chuzaishos desempenham uma grande variedade de atividades. Eles recebem notificações de objetos perdidos e/ ou achados, ou sobre crimes e acidentes, além de dar aconselhamento aos moradores e orientar pedestres sobre caminhos.
Atividades para conseguir a participação da população através de solicitações e opiniões.
“Comitê de relacionamento com koban e chuzaisho”.
A policia tem promovido a criação de um Comitê de relacionamento com koban e chuzaisho. O comitê é formado por representantes de diferentes setores do comercio e outros negócios e / ou de associações de bairros, e tem por objetivo construir uma comunidade livre do crime e de acidentes através dos esforços conjuntos de moradores e policiais. O comitê informa a policia suas sugestões/ e solicitações, além de discutir os problemas que afetam a segurança e a tranqüilidade da comunidade com a policia.
Atividades para suprir informações sobre segurança da comunidade
“noticias de última hora do koban”
De modo a informar os moradores imediatamente sobre um crime ou acidente, o koban e o chuzaisho põem a vista onde todo mundo possa ver as “noticias de ultima hora do koban”, nos quadros de aviso existentes nas esquinas ou em estações de trem e bancos.
“newsletter do koban”.
“ Vários koban e chuzaisho estão publicando um nwesletter próprio para circulação local. O newsletter é amplamente aceito pelos moradores como um importante meio de comunicação em sua comunidade já que veicula noticias sobre crimes e acidentes que ocorrem em seu bairro, sobre medidas adotadas para preveni-los, ocorrências que tem relação com o bairro e opiniões e sugestões dos moradores.
Os kobans e chuzaishos também se esforçam para oferecer informações úteis à comunidade usando fac-símiles, tv a caba, difusão em circuito fechado e internet.
Atividades para a solução de problemas nas comunidades
Policiais comunitários apóiam as atividades comunitárias.
Os policiais comunitários apóiam os cidadãos em suas atividades voluntárias, como por exemplo em campanhas para trânsito seguro e em atividades de prevenção de crimes e acidentes. No ultimo caso, os policiais comunitários tentam acompanhar os moradores em patrulhas, além de participar de outras atividades de prevenção de crimes organizados pelos cidadãos.
Atividades policiais de pronto atendimento na ocorrência de crimes e acidentes.
Na ocorrência de um crime ou acidente, os policiais comunitários dos kobans ou chuzaishos realizam o primeiro atendimento na cena da ocorrência, em cooperação muito próxima com as viaturas policiais.
Para processar as chamadas ao número 110 e outras informações vindas dos cidadãos em uma central, a policia instalou um centro de comando de operações na central de policia de cada província.
A partir de uma chamada ao 110, para resgatar vítimas e prender suspeitos o mais rapidamente possível, o centro de comando de operações instrui as viaturas e os policiais dos kobans e chuzaishos a se deslocarem rapidamente para a cena do crime ou do acidente, solicita reforços policiais onde necessário, alerta a central de policia de outras províncias solicitando que elas mobilizem policiais de forma rápida e sistemática.
Viaturas equipadas com rádio ficam disponíveis nas unidades de patrulha motorizada na central de policia da província, nas delegacias de polícia, e nos kobans e chuzaishos. Os policiais as utilizam para patrulhas de rotina e para uma rápida resposta a incidentes que ocorram dentro de seus distritos. Estas viaturas permanecem em constante contato via rádio com a a delegacia de policia e com o centro de comando de operações. Quando aprece uma solicitação de emergência, elas correm para a cena da ocorrência para dar o atendimento inicial, assim cumprindo um papel de destaque na rápida solução das ocorrências reportadas.
Através de helicópteros e lanchas de patrulhas, a polícia comunitária também realiza atividades no ar e na água, monitorando e patrulhando uma ampla área, para colher informações no caso de desastres naturais, para localizar e resgatar alpinistas e vítimas de acidentes em montanhas, para prevenir acidentes relacionados com esportes e lazer na água.
Esquadrões ferroviários
Como um dos elementos da policia comunitária no Japão, os esquadrões ferroviários foram criados para combater crimes nas principais linhas ferroviárias e suas instalações. Os esquadrões ferroviários patrulham as instalações das estações ferroviárias, entrando nos vagões dos trens e ficando em alerta para prevenir e punir crimes tais como as ações dos batedores de carteira e de molestadores de mulheres.
Koban atraindo a atenção internacional
As atividades da policia comunitária centradas nos kobans e chuzaishos estão atraindo a atenção internacional como sendo o principal fator para as boas condições de segurança no Japão. Nestas circunstancias, a policia japonesa tem difundido o sistema koban e o sistema de comando de operações via telecomunicações, ajudando policiais estrangeiros a melhorar sua própria tecnologia de policiamento.
Em junho de 1983, um sistema de “postos de polícia de vizinhança”que se espelhou no sistema koban japonês foi introduzido em Cingapura com assistência técnica do governo japonês. O sistema alcançou um grande sucesso na redução de ocorrência criminosas em Cingapura e no estabelecimento de uma relação cooperativa entre a policia e a comunidade.
As origens do koban e do chuzaisho
Koban

Uma instituição policial que viria a se tornar o atual departamento de policia metropolitana de Tóquio foi criada na cidade depois da restauracao meiji (1868), sendo que os atuais kobans remontam a uma antiga instalação chamada “kobansho”que foi introduzida por esta instituição. Naqueles tempos, cada “kobanshoi” contava geralmente com 12 policiais trabalhando em três turnos, com 4 deles por turno.
O kobansho recebeu posteriormente o nome de “junsa-hashutsusho”em 1881, mas voltou a ser chamado koban em 1994, já que era o termo mais aceito pela população.
Chuzaisho
Em 1888, o ministério de assuntos domésticos promulgou um decreto dividindo a jurisdição de uma delegacia de policia em várias sub-áreas. De acordo com o decreto, um policial deveria ser designado a cada sub-área, alocado em um posto policial chamado de “chuzaisho”.
Como resultado deste decreto, de 1888 a 1889, foram criados chuzaishos e kobans em todo o país.
Policia comunitária , o Convênio Brasil / Japão
 

10/setembro/2011.


 
 
     
Eventos Veteranos