Novo Topo Maio

Telefones Úteis

 

FARMÁCIA DE PLANTÃO (0800 – 115533)

PRONTO SOCORRO ( 1 9 2 )  

Programa Farmácia Popular do Brasil   Disque Saúde (0800 61 1997)

Breve todos Estados

 

<>< <<>< <> <><< <> >>>> <> ><>> <> >>> ®
<>< <<>< <<<> <> >>> > <> >>> > <> <>< <> << << << ><>< >>> >> ®

Calling
O código DDI do Brasil é +55, ao passo que o código DDD da capital é + .
Use o código de uma operadora para ligar para outras cidades e países.
Para saber mais sobre os códigos de operadores e consultar informações da lista telefônica,utilize o Serviço de informações 102.
Ligações Intermunicipais e interestaduais.
Para efetuar ligações para fora de Estado,disque: 0+código da operadora + código DDD da cidade + número do telefone.
Ligações internacionais
Para realizar uma ligação internacional,disque: 00+ código da operadora + código DDI do país+ código DDD da cidade + número do telefone.

 

Aqui tem remédio
Farmacia Popular ( Acesse )
 

O "Aqui Tem Remédio" é um aplicativo que auxilia a população de São Paulo a encontrar os medicamentos mais procurados nas farmácias da rede municipal de saúde apontando as unidades que estão mais próximas dos usuários e a rota mais curta para chegar à unidade selecionada. A ferramenta pode ser acessada através do site ou aplicativo IOS​ e Android​.

Informações podem ser obtidas pela internet www.saúde.gov.br.
Todas as farmácias funcionam das 8h às 18h, de 2.a. a 6.a., e aos sáb. das 8h às 12h.

Perfil Demográfico
A tabela ao lado mostra que até o mês de julho de 2005, 87.231 médicos estavam inscritos no Cremesp. Entre 1980 e 1999 cerca de dois mil médicos se inscreviam anualmente no Conselho, número que subiu para três mil nos últimos anos. Cerca de 63% dos médicos são homens. A participação feminina na profissão diminui à medida que aumenta a idade. Essa participação é maior entre os médicos residentes na Capital. Na faixa etária de 21 a 24 anos, 57% são médicas e, no conjunto dos médicos da Capital, 41% são mulheres. Dentre os médicos residentes no Interior, cerca de dois terços são homens. Nas faixas etárias mais jovens quase não há diferença entre homens e mulheres no Interior.


Distribuição dos médicos segundo idade atual e gênero

Idade Fem. Masc. Total % Homens
21-24 439 471 910 51,76
25-29 6.121 6.740 12.861 52,41
30-39 10.516 11.878 22.394 53,04
40-49 9.318 13.864 23.182 59,81
50-59 4.935 13.614 18.549 73,39
60-69 840 5.104 5.944 85,87
70-79 284 2.213 2.497 88,63
80+ 52 832 884 94,12
Total 32.505 54.716 87.221 62,73


Relação de Habitantes por Médico nas Regiões do Estado

Observe que a taxa de médicos por mil habitantes é de 2,11 ou de um médico para 474 habitantes no Estado de São Paulo. Entretanto, esta distribuição não é homogênea. Em 144 municípios (22%) não reside nenhum médico. Cerca de 21% tem uma taxa superior a de um médico por mil habitantes, e em 57% a taxa está entre 0,1 a 0,99. O município de Botucatu é o que possui a maior taxa de médicos: 6,4 por mil habitantes ou um médico por 157 habitantes. Já a região de Botucatu tem um médico para 513 habitantes. Em seguida vem a cidade de Santos, com uma taxa de 5,8, ou seja, um médico para cada 173 habitantes; na região há um médico para 531 habitantes. Logo depois, Ribeirão Preto tem um médico para cada 180 habitantes; e a região, um médico para 337. Já a região metropolitana de São Paulo tem um médico para cada 263 habitantes. A distribuição dos médicos por local de residência merece algumas considerações: às vezes o médico não declara ao Conselho a mudança de endereço; em outros casos, o médico exerce sua atividade profissional em um município, mas reside em outro. Existem 645 municípios no Estado, sendo que aqueles com menos de cinco mil habitantes têm dificuldade em fixar o médico.


Relação de habitantes por médico nas regiões do Estado

Regional Médicos Relação de habitantes por médico
São Paulo 41.246 263
Campinas 8.383 429
Ribeirão Preto 3.544 337
Santo André 3.235 776
Santos 3.031 531
S. José R. Preto 2.909 478
Sorocaba 2.799 771
S. José dos Campos 2.009 592
Piracicaba 1.960 687
Taubaté 1.648 590
Mogi das Cruzes 1.595 1484
Bauru 1.471 716
Osasco 1.424 1863
Marília 1.126 536
Araraquara 1.121 794
S. João Boa Vista 1.109 837
Presidente Prudente 1.062 651
Botucatu 1.036 513
Araçatuba 1.034 930
Franca 803 793
Barretos 563 736
Assis 527 863
Resgistro 207 1.381
Francisco Morato 169 2.939


Médicos denunciados segundo número de denúncias

O estudo revela que:
- a taxa de denúncias apresenta uma diferença entre gêneros: é maior entre os médicos (82%);
- os médicos graduados em escolas públicas têm uma taxa de denúncias 39% menores do que os formados em escolas privadas;
- em 10 anos, o número de denúncias contra médicos recebidas pelo Cremesp aumentou 130%;
- em 1995, foram recebidas 1.020 denúncias e em 2004, foram registradas 2.357 denúncias;
- o número de médicos em atividade, no entanto, não seguiu esta proporção, registrando um aumento de 40% entre 1995 e 2004 (de 62.531 médicos em 1995 para 87.231 médicos em 2005).
Ao comparar com o critério de classificação das escolas médicas feito pelo Ministério da Educação por meio do Exame Nacional de Estudantes (Enade), em 2004, percebe-se uma correlação inversa entre o resultado do MEC e a taxa de denúncias no Cremesp. Dentre as escolas que receberam a classificação 5 do MEC - a nota mais alta -, a taxa de denúncias por 100.000 médicos-ano foi de 821; as que receberam a nota 4 no Provão tiveram taxa de 982 ; já aquelas que receberam nota 3, a taxa de denúncia foi de 1.689. Três escolas, dentre as 26 em atividade no Estado, não participaram do processo de avaliação do MEC.
Ao analisar a escola médica de origem dos médicos denunciados, e cruzar essa informação com a avaliação do MEC e, em futuro próximo, com o resultado da Avaliação Estadual do Ensino Médico (que será realizada em outubro pelo Cremesp), será possível traçar um perfil inédito da qualidade do ensino nas escolas médicas do Estado de São Paulo.


Médicos denunciados segundo número de denúncias

Ano Denúncias Denunciados Médicos ativos
1995 1.029 1.259 62.531
1996 1.293 1.567 64.829
1997 1.184 1.416 67.234
1998 1.197 2.070 69.592
1999 1.492 1.727 72.125
2000 1.514 1.644 74.935
2001 1.925 1.837 78.047
2002 2.022 1.902 81.135
2003 1.926 1.718 84.240
2004 2.357 2.140 87.148


Médicos segundo nacionalidade

Nacionalidade Médicos
Boliviana 435
Portuguesa 226
Peruana 151
Argentina 115
Colombiana 107
Italiana 83
Coreana 72
Equatoriana 63
Chilena 49
Espanhola 46
Paraguaia 43
Alemã 43
Japonesa 41
Uruguaia 31
Chinesa 30
Panamenha 25
Cubana 25
Demais nacionalidades 214
Total de estrangeiros 1.799


Médicos Estrangeiros

Gráfico e tabela mostram que a grande maioria dos médicos registrados no Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo – 98% – são brasileiros. Dentre os médicos com nacionalidade estrangeira (1.799) cerca de 24% são bolivianos e 12% portugueses. São seguidos pelos de nacionalidades peruana (8,39%) e argentina (6,39%). 


Médicos segundo origem de graduação

Origem Médicos
Formados em São Paulo 54.171
Formados em outros Estados 31.860
Formados no Exterior 1.190
Total 87.221 

Médicos segundo origem de graduação
O número de médicos segundo a faculdade de graduação, está relacionado ao tempo de existência do curso de Medicina e ao número de vagas oferecidas anualmente. Observe que do total de médicos inscritos no Cremesp (87.221), 72% (ou 54.171) formaram-se em faculdades situadas no Estado de São Paulo. Os demais cursaram Medicina em faculdades localizadas em outros Estados e 1% em cursos no exterior. A Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo contribui com 6.769 médicos inscritos (12,5%) e a Unifesp com 4.682 (8,6%).
É importante destacar que a participação de médicos formados fora do Estado apresentou ligeiro declínio até a década de 80 e, a partir daí, só cresceu. Em 2004 mais da metade dos médicos inscritos no Cremesp (52%) vieram de outros Estados.

 

Congressos

Apresentamos alguns trabalhos científicos do tema saùde

Congressos Internacionais

1- Web 2.0 na educação superior - X Jornadas da APDIS (Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde) – 29 e 30 de março de 2012 - Lisboa – Portugal: (pesquisando)

2-  Posibilidades pedagógicas com el uso de tecnologías - JUTE 2012 (XX Jornadas Universitarias de Tecnología Educativa) –28 y 29 de junio de 2012 - Girona, Espanha:  (pesquisando)

3 - Web 2.0: impact on future academic use- EDULEARN12 (4th International Conference on Education and New Learning Technologies) – 2 to 4 July, 2012 - Barcelona, Espanha:  (pesquisando)

4-   4 - Alfabetização digital: o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação- CRICS (9º. Congresso Regional de Informação em Ciências da Saúde) – 22 to 24 October, 2012 - Washington, DC – EUA: (pesqisando)

Congresso Nacionais

1-    Educação à distância e a integração das tecnologias na educação – CIAED (18º. Congresso Internacional ABED de Educação a Distância) - 23 a 26 de setembro de 2012 - São Luís – MA

artigo inteiro - (pesquisar)

apresentação - (pesquisar

2-    Tecnologias móveis: aliadas na educação e na saúde - CBIS 2012 (XIII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde) – 19 a 23 de novembro de 2012 - Curitiba – PA

artigo inteiro - (pesquisar

pôster - (pesquisar)

3-    Redes Sociais: relato de experiência da Biblioteca Central da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP - CBBD (XXV Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação) – 7 a 10 de julho de 2013 - Florianópolis – SC:

artigo inteiro - (pesquisar)

4 - O uso do Twitter no contexto educativo – XI Congresso Internacional de Tecnologia na Educação – 25 a 27 de setembro de 2013 - Recife – PE:  Este eu ainda vou apresentar final de setembro.

provisoriamente nessa sessão estamos inserido trabalhos cinteníficos uso de tecnologias na a´rea da saúde/setembro/2013

Eventos Veteranos